O Glaucoma é uma doença oftalmológica que se detectada cedo e tratada não deve gerar danos à visão. Ela consiste em um descontrole da pressão intraocular que, se elevada prejudica o nervo ótico provocando a redução do campo visual e a perda da qualidade de visão.

Foi detectado Glaucoma em mim quando tinha 13 anos. Desde então eu cuido e monitoro religiosamente meus olhos entre colírios e cirurgias para que a doença não se desenvolva. Mas somos humanos e nem sempre nosso corpo se aplica às regras.

Em 2016 assisti uma visão inteira minha sendo mastigada pelo Glaucoma numa velocidade estonteante, a despeito de toda atenção e cuidado que sempre tive para preservar a minha visão. Já desconstruí muita coisa para construir uma nova vida. Velhos hábitos foram deixados de lado. Eu não enxergo mais como antes. Alguns matizes de cores ja se foram. O HD da visão também… Eu enxergo o mundo em pixels. Mas a despeito dessa chateação toda ainda digo que está tudo bem… Se há alguma coisa incrível que vive na gente, é a força de vontade. Ela sempre surge de lugares que se desconhece e tudo continua… Tenho 41 anos e calculo estar só na metade da vida. É triste? Sim, muito! Mas a vida há de continuar boa!

O amor é uma das forças mais bonitas e fortes que existem e faz a vida continuar valendo a pena!

O amor é uma das forças mais bonitas e fortes que existem e faz a vida continuar valendo a pena!

Não estou cega e nem pretendo ficar. Mas sim, tenho a visão bastante reduzida. Muitas pessoas de visão perfeita veem o mundo de forma reduzida. Sei disso. Mas a questão aqui não é a poesia da vida, e sim o quanto ela é bonita para ser vista e apreciada.

Alertas não competem apenas ao sistema de saúde e aos meios de comunicação. Acredito que não exista nada mais forte que um “caso” real, que pode estar bem ao lado de vocês. Por isso decidi estreiar a minha participação neste blog me abrindo com vocês… É a minha obrigação ética enquanto humana e portadora do Glaucoma revelar o quanto os perigos da doença são reais. Por favor compartilhem essa mensagem e cuidem- se para que a vida continue entrando bela através dos olhos de vocês!

Não se preocupe… Não vou ficar escrevendo coisas “deprês” e nem sobre o glaucoma. Afinal, nós somos maiores que nossos problemas e não o contrário não é mesmo?

Até breve!


Raquel Alves

Raquel Alves aprendeu muito cedo que nada na vida é definitivo. Nem as coisas boas e nem as ruins. Tudo pode mudar, a qualquer momento. Graduada e pós graduada em Arquitetura e Urbanismo, em 2014 deixou seus 15 anos de carreira para presidir o Instituto Rubem Alves, disseminando e eternizando o legado de seu pai, o escritor Rubem Alves.

Posts Relacionados

Colunas

A imbecilidade é como o pum

A imbecilidade é um negócio estranho, sabe? Ela se alastra. É como uma flatulência – os casos mais “graves”, como diz aquela música dos Titãs, “não respeitam cor, credo ou classe social”. Embora, seja essa Leia mais…

Colunas

Enguia Mutante

Vamos continuar desnudando a verdade. Mulheres, não se iludam pensando o contrário para vocês não sofrerem: o melhor amigo de um homem, foi, é e será sempre o controle remoto. Todo “macho”, como é meio Leia mais…

Colunas

O mundo não é de gesso

Meu nome é Vanessa Cornélio, sou mulher, adoro homens e me interesso por homens e mulheres. Mas não sou bissexual e muito menos assexuada (como alguns pensam). Minha situação financeira não é das melhores no Leia mais…